Trouvez la version anglaise ici

A Costa do Marfim está a acelerar projetos de desenvolvimento de infraestruturas energéticas numa tentativa de diversificar a sua matriz energética, expandir a sua rede elétrica, atrair investimento sustentável e impulsionar o crescimento socioeconómico.

Descoberta de Petróleo e Gás da Eni

Espera-se que a última descoberta de petróleo e gás da Eni nas águas offshore da Costa do Marfim venha a aumentar significativamente a produção interna de petróleo e gás num futuro próximo. Tendo sido feita a descoberta em Setembro de 2021, a Eni declarou que os testes e as amostras de fluidos deram resultados favoráveis e que a empresa lançou estudos para um “desenvolvimento acelerado” do campo localizado no bloco CI-101. As estimativas situam as reservas do campo entre 1,5 e 2 mil milhões de barris de petróleo e cerca de 1,8 a 2,4 triliões de pés cúbicos de gás.

Central Biovea Energie Biomass

A Costa do Marfim está preparada para construir a primeira central elétrica de biomassa de África a 100 km a leste de Abidjan. O projeto será executado e depois operado pela Biovea Energie, uma empresa incorporada legalmente na Costa do Marfim pertencente à EDF, Meridiam e Biokola, que será financiada em parte pelo consórcio acima mencionado com cerca de 22 milhões de euros e pela Proparco, uma subsidiária da Agence Française de Développement para o sector privado e pelo Emerging Africa Infrastructure Fund através de um empréstimo de 165 milhões de euros e de uma subvenção de 13 milhões de euros.

Uma vez concluída, a central elétrica terá capacidade para gerar 336 GWh de energia por ano, fornecendo apenas 1,7 milhões de pessoas numa base anual. O combustível de biomassa irá necessitar de 450.000 toneladas de resíduos de palma, provenientes principalmente de pequenos agricultores, promovendo assim o sector agrícola e aumentando o rendimento anual de cerca de 12.000 agricultores em 20%. Além disso, a construção da central criará 500 empregos e mais 1.000 postos de trabalho permanentes após a sua conclusão. O projeto visa combater a desflorestação e a agricultura extensiva através da promoção de boas práticas agrícolas e do aumento do rendimento das culturas.

Diz-se que o projeto irá reduzir as emissões de CO₂ em 340.000 TEQ de emissões de CO₂ por ano. A construção da fábrica teve início em Setembro e a sua abertura está prevista para Setembro de 2024.

Central Hidroelétrica de Singrobo

Numa tentativa de diversificar o seu mix energético, o país vai inaugurar em 2023 uma nova central hidroelétrica de 44MW, denominada Singrobo, a sudeste de Yamoussoukro, do outro lado do rio Bandama. O custo total do projeto ascende a 195 milhões de euros e é patrocinado por um consórcio que inclui a IHE Holding, o Banco Africano de Desenvolvimento e a Corporação Alemã de Investimento. A empresa francesa de construção civil Eiffage recebeu o contrato de construção da central elétrica, que inclui a construção de uma barragem mista de rocha e betão com um reservatório de 105 milhões de m3, bem como um canal de descarga, uma linha de 3 km de ligação da central elétrica à rede, um ponto de comutação de 90 kV e estradas de acesso.

Singrobo terá a capacidade de fornecer 217 GWh anuais de energia e reduzirá as emissões de CO₂ em 124.000 toneladas por ano. Quando concluído, o projeto será o primeiro projeto de PIE de energia hidroelétrica da África Ocidental. A produção de energia será vendida ao abrigo de um acordo de compra de energia por 35 anos à Compagnie Ivoirienne d’Électricité.

Central Térmica “CIPREL V” de Atinkou

A central térmica Atinkou “CIPREL V” de 390 MW deverá estar operacional em 2024 e servirá para substituir as centrais da Aggreko (200 MW), Vridi (100 MW) e Ciprel I (99 W), atualmente em dificuldades. A central será alimentada por gás natural e utilizará tecnologia de ciclo combinado, gerando assim energia de forma mais eficiente.

Além disso, a Costa do Marfim pretende impulsionar as exportações de energia com a produção da estação, satisfazendo ao mesmo tempo os requisitos de carga de base do país. A construção faseada permitiu a criação de aproximadamente 800 postos de trabalho e irá criar 75 postos permanentes durante a sua operação. O custo total do projeto está estimado em 404 milhões de euros.

Centrais de Energia Fotovoltaica Scaling Solar

Em 2019, a Costa do Marfim e a Corporação Financeira Internacional (IFC), a filial do sector privado do Banco Mundial, assinaram um acordo para o lançamento da Scaling Solar, uma iniciativa que visa facilitar o investimento privado em projetos de desenvolvimento de energia solar em mercados emergentes. Tendo cada um dos parques solares 60 MW, um destes estará localizado em Laboa, no nordeste do país, e o outro em Touba, no departamento do centro-oeste de Mbacké. Em Junho de 2021, o governo da Costa do Marfim lançou a pré-qualificação para o financiamento, construção e funcionamento de ambas as centrais solares. Os Produtores Independentes de Energia Selecionados serão responsáveis pela construção e operação das centrais por um período de 25 anos. A energia produzida será vendida ao abrigo de um acordo de compra de energia com a Compagnie Ivoirienne d’Électricité.